Posto de Controle do 21.º Portugal de Lés-a-Lés

Realizámos na passada terça-feira, 11 de junho, o Posto de Controle n.º 11 do 21.º Portugal de Lés-a-Lés, no Cabo da Roca, o ponto mais ocidental da Europa Continental, local onde “Onde a terra se acaba e o mar começa” (in Os Lusíadas, Canto III).

Para ver mais, clique na fotografia.

Inspirados na Lenda do Cabo da Roca e na tradição que todos os domingos leva centenas de motociclistas a este local, levámos um motard muito original, ovelhas, pastores, bruxas e até a Virgem Maria entre outras personagens que recriavam a Lenda de José Gomes, conhecido em Cascais pela alcunha de “Chapinheiro”.

Para ver mais, clique na fotografia.

O plano era levar os participantes a fazer parte do enredo e pedir-lhes que ajudassem a mãe desesperada a encontrar o seu filho, que teria sido raptado pelas malvadas bruxas e escondido num buraco daquele local. Para o manter são e salvo, a Nossa Senhora iria alimentá-lo, até a mãe, os pastores e os aldeães o encontrarem de perfeita saúde e seguirem até à igreja para agradecer à Virgem o milagre de ter mantido o menino seguro, até ser resgatado.

Contudo, e como é característico daquela zona, o vento não deu tréguas e a encenação preparada teve de passar para segundo plano. De qualquer forma, os personagens não deixaram de ser alvo de elogios e muitas foram as fotografias tiradas naquele dia, quer por participantes do Lés-a-Lés, quer pelos muitos turistas que por ali passavam e estranhavam a presença de tais indumentárias.

Grande sucesso foi também a moldura por nós criada, alusiva a Camões e ao tempo dos Descobrimentos portugueses, sem esquecer a presença da Estátua da Liberdade, pois dizem que saindo daquele local e seguindo sempre em frente pelo mar, iremos dar à América!

No nosso posto de controle, além da habitual picagem de cartões, foi também entregue um diploma aos participantes, certificando a sua passagem por aquele local tão emblemático.

Muito obrigado aos nossos Sócios e Amigos que permaneceram o dia todo no Cabo da Roca, suportando o vento que era insuportável e mantendo sempre um sorriso no rosto e a boa disposição habitual.

Muito obrigado ao Mário Galinha, por todo o apoio dado, mais uma vez, quer na construção dos vários cenários que tivemos no posto, quer pelo empréstimo da carrinha de apoio.

Obrigado também à Conceição e ao Fernando Marques por toda a ajuda dada, quer na construção dos cenários, quer na confeção dos fatos.

Um enorme agradecimento à atriz Marisa Carvalho, que a nós se quis juntar nesta aventura. Obrigado por toda a dedicação, empenho e boa disposição!

Obrigado também à Birdesign – Fardas e Uniformes, pela ajuda dada na confeção dos coletes dos pastores.

Um agradecimento especial também aos nossos amigos Isabel, Beatriz, Nelson Diogo Marques e Cristina Pimentel pela ajuda dada.

Bem haja a todos!!!